Ocorreu um erro neste gadget

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Neoplasias Nomenclatura

Neoplasia significa um novo tipo de célula genética e morfologicamente modificada, estas células se proliferam descontroladamente em um tecido do corpo formando uma massa de tecido bastante agressivo também conhecido como tumor ou câncer. O termo tumor não é bem aplicado as neoplasias já que também é um termo utilizado para definir um dos cinco sinais cardinais de um processo inflamatório agudo (edema), já o termo câncer foi introduzido pela aparência que um cancro maligno tem com um caranguejo se agarrando nos tecidos vizinhos. As neoplasias podem ser benignas ou malignas: Assim como um tecido normal do corpo um "tumor" maligno ou benigno precisa de um estroma formado por vasos sanguíneos e tecido conjuntivo que dão nutrição, aporte e sustentação a ele e também é constituído de um parenquima, tecido formado por células que exercem a função de um dado órgão, ao contrario do tecido normal uma massa de células neoplasicas se prolifera de forma desordenada invadindo outros tecidos vizinhos e cavidades corpóreas trazendo grandes malefícios ao portador.
Geralmente para nomear um "tumor" benigno é introduzido o sufixo "oma" em sua célula de origem (células de seu parenquima) como por exemplo um mioma que é um tumor benigno de um tecido muscular. Porém esta regra segue-se melhor aplicada aos "tumores" de tecido mesenquimal, pois aos tumores de tecido epitelial sua nomenclatura é mais complexa sendo que em alguns deles é utilizadas as suas células de origem para nomea-los assim como os te tecido mesenquimal, más em outros casos usasse sua aparência microscópica etc. Existem também tumores epiteliais benignos chamados de papilomas sendo estes assim nomeados quando promovem projeções.
Para nomear os "tumores" malignos também segue-se esta mesma regra ressaltando uma diferença: Quando ocorrem em tecido mesenquimal é adicionado o prefixo "sarc" ou seja "tumores" carnosos são chamados de sarcomas, já "tumores" malignos de tecidos epiteliais recebem o prefixo carc, ou seja são carcinomas sendo que o ultimo ainda pode receber outro termo: "Adeno" quando ocorrem em glândulas sendo assim Adenocarcinomas. Tumores benignos de células glandulares também recebem o termo "Adeno" sendo estes neoplasmas os adenomas. Existem algumas exceções na nomenclatura das neoplasias como é o caso dos linfomas que são assim chamados no entanto são malignos e a leucemia que não recebe nenhum dos prefixos e sufixos citados e também é um tipo de neoplasia maligna.
By Thiago Ribeiro

1° e 2° intenção

Cicatrização por 1° intenção
Este tipo de reparo se desenvolve em feridas incisas limpas e não infectadas em que suas margens estão paralelamente unidas face a face. Este tipo de cicatrização é considerado ideal por haver pouco numero de células mortas tanto epiteliais como do tecido conjuntivo além do dano a membrana basal não ser muito extenso. O espaço estreito entre as margens da ferida se preenche rapidamente com coágulos de sangue rico em fibrina que desidrata formando uma crosta conhecida como "casquinha" que recobre a ferida. O tecido de granulação é pouco visualizado neste tipo de reparo pela própria proximidade das bordas da lesão que impedem a visualização do novo tecido.

Cicatrização por 2° intenção
Ocorre quando a uma extensa perda tecidual e o parênquima não consegue restaurar sua arquitetura original do tecido necrosado. As bordas desse tipo de ferimento começa a ficar rica em tecido de granulação que vão crescendo até se unirem fechando a ferida. Esse tipo de reparo também é caracterizado pela contração da ferida que diminui seu tamanho ajudando a unir as margens ricas em tecido de granulação.

Principais Diferenças entre 1° e 2° intenção

  • A quantidade de tecido necrosado na cicatrização de segunda intenção é maior gerando mais exudato e uma ação inflamatória mais intensa.
  • Na cicatrização de segunda intenção à mais tecido de granulação formado.
  • A contração da ferida na cicatrização de segunda intenção não é observada na cicatrização de primeira intenção.
  • A cicatriz resultante na primeira intenção é menor do que a resultante na segunda intenção pela perda tecidual ser bem menor.

BY Thiago Ribeiro