Ocorreu um erro neste gadget

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Calcificações Patológicas

Calcificações Distróficas e Matastáticas

Alguns tecidos do nosso corpo são necessariamente mineralizados com deposição normal de cálcio como os tecidos dos ossos e dos dentes, no entanto algumas deposições patológicas acontecem em outros órgãos em algumas situações provocadas por um problema sistêmico ou local.
Quase 99% do cálcio presente no nosso corpo esta localizado no tecido ósseo e nos dentes o restante fica armazenado nas mitocôndrias, no sarcoplasma das células musculares e uma pequena quantidade fica circulando no sangue o que é chamado de calcemia. O cálcio circulante na corrente sanguínea não se deposita nas células por que nossas células se protegem dessa deposição não deixando assim formar calcificações em locais indesejados. O excesso de cálcio do corpo é eliminado nas fezes e na urina para que haja uma homeostase do cálcio.
Existe deposição de cálcio em células sadias chamadas deposições matastáticas e em células lesionadas nas chamadas deposições distróficas.

Calcificações Distróficas

Como foi dito anteriormente as células do nosso corpo conseguem se proteger da presença de cálcio impedindo a calcificação, porem em casos que há lesão, e perda da homeostase celular essa autoproteção fica afetada formando assim acúmulos de cálcio em tecidos lesionados. O processo de calcificação distrófica ocorre em duas etapas, a primeira é intracelular na mitocôndria da célula morta ou lesionada onde ocorre a acomodação dos hexágonos de hidróxiapatita tumeificando a mitocôndria, e a segunda fase extra celular ocorre em estruturas chamadas vesículas de matriz formadas a partir de células degeneradas onde fosfolipidios ácidos agem como captadores de cálcio precipitando o acumulo dos hexágonos de hidróxiapatita formando assim as calcificações distróficas.
Esses acúmulos são comumentes encontrados na parede dos vasos esclerosados nas áreas de necroses antigas e não reabsorvidas, como na linfadenite caseosa da tuberculose nos infartos antigos ao redor de parasitos e larvas mortas, na necrose enzimática gordurosa da pancreatite, nos abscessos crônicos de difícil solução e em trombo venoso crônicos etc.

Calcificações Matastáticas

São calcificações disseminadas causadas por hipercalcemia. A hipercalcemia pode ser causada por intoxicação por vitamina D, aumento do metabolismo ósseo ou hiperparatireoidismo. A alta concentração de cálcio no sangue facilita a preposição de cálcio nas células formando calcificação e o hiperparatireoidismo é o principal responsável pela hipercalcemia.
A glândula paratireoide é um órgão do sistema endócrino responsável pela manutenção dos níveis normais de cálcio no sangue ela se localiza atrás da glândula tiróide e libera um hormônio chamado paratormonio ou PTH na corrente sanguínea que eleva a atividade metabólica óssea retirando cálcio dos ossos e jogando na corrente sanguínea.

Existem dois tipos de hiperparatireoidismo um primário causado pelo aumento da atividade da glândula paratireoide por hiperplasia ou Neoplasia e outro secundário causado por problemas renais.
Quando a atividade renal está diminuída ocorre um acumulo de fósforo na corrente sanguínea este acumulo diminui a síntese de vitamina D. A absorção de cálcio pelo TGI é dependente da vitamina D e sua falta causa queda nos níveis de absorção de cálcio fazendo com que a paratireoide libere grande quantidade de PTH elevando o metabolismo ósseo levando a hipercalcemia, em deficiências renais crônicas essa calcemia torna-se constante aumentando a precipitação do cálcio nos tecidos.
by Thiago Ribeiro

Nenhum comentário:

Postar um comentário